Mercado Melo

Mercado Melo

domingo, 28 de maio de 2017

Jhonata Almeida: "Pensando Alto"


No “Pensando Alto” de hoje, transcrevo um texto que escrevi há alguns anos, comparando uma experiência literária com o aprendizado que tive com um grande mestre...
Na íntegra, mas o dividirei:
“Sentado, neste exato momento ao computador, não sei bem ao certo o que quero escrever...Mas escreverei...Vou deixar que as palavras venham e as registrarei, porque quero contar-lhes algo...
Depois de alguns anos, encontrei um livro do qual havia ouvido falar muito bem, chamado “A Última Grande Lição”, de Mitch Albom...O livro consiste no seguinte: Um aluno reencontra seu professor preferido que sempre foi seu inspirador quase vinte anos depois de ter se formado; o professor (Morrie Schwartz) está à beira da morte e os dois decidem promover encontros todas as terças-feiras para conversarem sobre o real sentido da vida...Cada capítulo, um assunto...
Bom, eu já sabia do que o livro se tratava...
Adquiri-o sexta-feira, dia 28 de fevereiro, que era véspera de meu aniversário...Foi um grande presente que me dei...
Decidi começar a leitura domingo, dia 2 de março...Comecei às 19h, li 50 páginas e tive que fazer uma pausa para recompor-me...
Foi uma experiência absolutamente fantástica...À medida que lia, ficava arrepiado e recebia injeções de adrenalina enquanto tremia um pouco...
O tempo todo, identifiquei-me com a história... E quando erguia os olhos, afastando-os do livro para refletir acerca do que encontrava, imaginava claramente o rosto daquele que foi meu grande mestre: Sr. Eugênio Gastaldo...
Quando li o resumo do livro, as páginas me perguntaram se nunca em minha vida tive um mestre, um professor que me guiasse, ensinasse e inspirasse...Imediatamente lembrei dele, que colecionava desafetos e críticos, mas que pra mim foi uma pessoa mais do que especial...
Pensei em escanear e postar aqui uma carta que tenho dele, manuscrita, elogiando minha inteligência, meu potencial de pesquisa, meu bom gosto técnico e dizendo que se trabalhássemos juntos, faríamos história para o Brasil...Finalizou dizendo que meu trabalho não seria “de louco” como diziam meus colegas (ele se referia à minha monografia jurídica, intitulada “Estudo do Léxico e da Morfossintaxe no Português Jurídico”), e ironicamente afirmou no desfecho da carta que seria “apenas o melhor da URI”...Decidi não postar a tal carta pelo respeito que tenho à vontade dele, que era endereçá-la a mim, mas posso mostrar o que ele escreveu a quem tiver curiosidade...” – CONTINUA...
Cabeludo
Jhou Batera //

Jhonata Almeida

Nenhum comentário: